Com sotaque cuiabano, Ana Rafaela mistura músicas que ‘são a cara’ de Cuiabá

A cantora cuiabana Ana Rafaela, de 24 anos, fez uma homenagem aos 300 anos de Cuiabá com um ‘mix’ das músicas que são ‘a cara’ da capital mato-grossense. Cuiabá faz aniversário nesta segunda-feira (8).

Ana Rafaela participou do programa The Voice, em 2012, e se tornou uma das principais cantoras do gênero pop, música popular brasileira e romântica da região.

A pedido do G1, a cantora interpretou várias músicas que fazem parte da cultura e história de Cuiabá.

“É com muito prazer que fiz essa homenagem a Cuiabá, nos seus 300 anos, minha cidade amada. Com os ritmos mais tradicionais: o rasqueado, o lambadão e um pouco do siriri. Parabéns, Cuiabá!”, disse Ana Rafaela.

Cantora cuiabana Ana Rafaela — Foto: Arquivo pessoal

Cantora cuiabana Ana Rafaela — Foto: Arquivo pessoal

Algumas das canções são de compositores marcantes da cultura cuiabana, como Roberto Lucialdo, Moisés Martins, Pescuma, Henrique e Claudinho, Chico Gil e outros. As músicas têm detalhes da culinária típica, do ‘jeito’ cuiabano e linguajar marcante dos moradores.

Rasqueado

O rasqueado é um estilo de música e de dança regional do centro-oeste brasileiro, mais precisamente da baixada cuiabana onde se localiza a capital de Mato Grosso.

O ritmo folclórico do rasqueado e sua respectiva dança também marcantes em cidades e regiões ribeirinhas da Bacia do rio Paraguai, como Cáceres, Barra do Bugres e Corumbá (MS).

Ainda muito presentes na cultura popular ribeirinha cuiabana, receberam influência da polca paraguaia quando prisioneiros paraguaios ficaram confinados à margem direita do rio Cuiabá, hoje município de Várzea Grande, durante a Guerra do Paraguai e do siriri mato-grossense.

Desse contato dos refugiados com a população ribeirinha e da mistura do violão paraguaio com a viola de cocho surgiria o rasqueado.

Lambadão

O lambadão também tem influência da polca paraguaia. No Pará, a lambada fazia sucesso nas periferias e nos garimpos. Muitos garimpeiros que não prosperaram naquele estado foram para estados vizinhos em busca do ouro.

Mato Grosso recebeu muitos grupos, especialmente nas cidades de Poconé, Rosário Oeste e Várzea Grande.

Francisco da Guia Souza, conhecido como Chico Gil, falecido em 2000, é até hoje considerado o Rei do lambadão.

Nascido em Poconé, Chico Gil foi carpinteiro, pedreiro e mestre de obras. Por volta de 1986, passou a trabalhar com o garimpo em Poconé, sendo garimpeiro. É dele o mérito de ter popularizado o gênero em Mato Grosso.

Cururu e siriri

O siriri é uma dança folclórica da região centro-oeste do Brasil e faz parte das festas tradicionais e festejos religiosos. A dança lembra as brincadeiras indígenas, com ritmo e expressão hispano lusitano.

Pode ser comparado com o fandango do litoral brasileiro. A música fala das coisas da vida de forma simples e alegre. Como instrumentos musicais, acompanham a viola de cocho, oganzá e o mocho ou tamboril.

Fonte: https://g1.globo.com/mt/mato-grosso/noticia/2019/04/08/com-sotaque-cuiabano-ana-rafaela-mistura-musicas-que-sao-a-cara-de-cuiaba.ghtml